Artista » Dilsinho

dilsinho
Se essa história fosse um filme, com certeza o trailer anunciaria: "Nem
todos os homens são iguais. Vem aí o cara certo". E logo, em close, surgiria
o protagonista: Dilson Scher, ou melhor, Dilsinho. Mas é de música que ele
entende. E, com suas sobrancelhas grossas e o sorrisão que já viraram marcas
registradas, o artista chega ao segundo disco, "O Cara Certo", com a segurança
de quem sabe bem o que tem para oferecer. "Esse trabalho é, sem sombra de
dúvidas, o retrato do meu amadurecimento musical, como criador e
intérprete. É um pouco da soma de tudo o que vivi, desde o primeiro CD",
garante. Entre as 15 músicas inéditas, Dilsinho assina oito. Não custa lembrar
que foi como autor que ele começou a ganhar espaço no mundo do samba,
compondo para nomes como Thiaguinho, Bom Gosto e Alexandre Pires. "Só
depois é que surgiu o cantor", brinca, com o bom humor de quem não teve
pressa para pavimentar sua carreira.
A introdução da primeira faixa do novo disco, “Nada Além” (música e letra do
próprio Dilsinho), pode até dar pistas falsas de que ele mudou de gênero.
“Eu tô bem mais maduro / acredita, eu juro / você não vai reconhecer”,
anuncia a letra. "Eu senti uma segurança maior para poder me testar em
outros ritmos e trazê-los para o samba também, fazendo essa mistura. Tem
músicas que sofrem influências do pop e do rock, com violões de aço,
guitarras e teclados fazendo riffs o tempo inteiro", conceitua. Mas o samba
logo pede passagem, com uma instrumentação suave e boas doses de
romantismo. O cantor manda : “Nada além do teu sorriso / Nada além me faz
viver / Nada além do que eu preciso / Nada além, só você”.
A faixa seguinte, "Trovão" (parceria com Munir Trad), já fazia barulho nas
rádios antes mesmo do disco chegar às lojas. E ainda com direito a um clipe
superproduzido, que estreou no início de abril, chegando rapidamente à
marca de dois milhões de visualizações. "Hoje eu saí sem me despedir, só
porque achei que estava tudo bem", canta Dilsinho. "No clipe, a gente queria
retratar um relacionamento a dois verdadeiro, que não é feito só de coisas
boas. Os casais se identificaram demais". Mas a música deixa espaço para um
final feliz: "Eu só tenho você e mais ninguém. Não tenho nada além de amor
pra te dar, mas trouxe flores se quiser ficar". Meninas, como resistir?
Outra composição assinada apenas por Dilsinho, "Se Quiser" (também lançada
como single) faz promessas e juras de amor. "Não me sinto bem quando vejo
você com outra pessoa", entoa. E tudo o que ele deseja é provar que ainda é o
cara do primeiro beijo. "Tentei me acostumar, já pedi pra voltar e ficar numa
boa, desencanei de azaração", dispara o cantor, disposto a apagar os
contatos, trocar os amigos, mudar até de cidade. Só para ficar ao lado da
mulher amada. Que tal?

E é nessa mesma pegada romântica que Dilsinho segue com "Refém", em que o
violão e a levada soul transformam a faixa numa das grandes surpresas do
disco. Composta por Thiago Silva e Pedro Felipe, a letra fala das armadilhas
do coração: "Aconteceu, minha vida estava no lugar, tudo parecia se encaixar,
foi quando eu te vi / Escureceu, tudo que era verdadeiro em mim, num
instante foi chegando ao fim, foi quando eu te vi". Mas o refrão não perdoa:
"Você sempre soube que eu tinha alguém, não venha com chantagens me
fazer refém".
Mas o bom humor também se faz presente. Com aquelas tiradas que só o
mundo do samba é capaz de fornecer, "Tamanho PPP" celebra as baixinhas.
Composição de Munir Trad, Marquinhos de Moraes e Willyam Souza, a música
ganha uma interpretação cheia de graça e manemolência, com versos
divertidos como: "Não sou nuvem, passarinho, engenheiro pra gostar de
arranha-céu". Uma declaração e tanto, que - com todo respeito às mais altas -
define bem o alvoroço que as baixinhas provocam no imaginário masculino.
E o humor permanece em "Toma Vergonha", de Flavinho do Kadet e Rafinha
RSQ. Nesse caso, sobre a garota outrora bem-comportada que, entre outras
coisas, troca o cinema pela tequila e vira o perigo da noitada. "Seu namorado
ela toma / Se der mole ela toma / Sua bebida ela toma / Seu camarote ela
toma". Com pitadas de funk, a música tem tudo para bombar em todas as
pistas, com um refrão irresistível. Tudo culpa das "amiga errada". E, enquanto
ela não "toma vergonha", a diversão está garantida.
Mas o romantismo continua a dar as cartas no disco. O próprio Dilsinho assina
a faixa-título, "O Cara Certo", que conta com uma participação para lá de
especial: a turma do Sorriso Maroto, de quem o cantor é fã desde garoto
("eles fazem parte da minha formação musical"). A parceria, no entanto, não
é inédita. Nada menos que duas composições de Dilsinho, "Aí Que Eu Gosto e
Vou Pra Cima" e "Pra Você Escutar", caíram na boca do povo através do grupo.
Em "O Cara Certo", ao lado de Bruno Cardoso, ele desfila versos como: "Posso
não ser o cara certo, mas te levo pra jantar, deixo você escolher o lugar / Vou
reparar no seu cabelo, no batom vermelho, abro a porta do carro pra
impressionar". Não é exatamente isso que tantas mulheres desejam?
E essas mulheres, que a essa altura já teriam motivos suficientes para não
pararem de ouvir o CD, ainda ganham outras manifestações de reverência. Na
música "Cansei de Farra", de Pedro Felipe, o título já entrega: acabou a
bagunça. "Eu não preciso mais sofrer, correr atrás e entregar meu coração na
mão de outro alguém", canta Dilsinho. E as declarações não ficam por aí. "Eu
sei que passe o tempo que for, você e eu seremos sempre prata e ouro, um do
outro, a combinação perfeita tipo queijo e goiabada", continua a letra, para
enfim concluir: "Agora eu quero só você".
Bebendo na fonte de mestres do sambalanço como Jorge Ben Jor e Bebeto,
Dilsinho chama mais um convidado para a roda: o ator e cantor Micael Borges.
A música escolhida, "Faça a Sua Aposta" (de Rafa Chagas e Shark), tem suingue
para dar e vender. "Vem, que essa noite vai ser do bem / Não deixe pra

depois ser feliz / Felicidade bate à sua porta / Não perca tempo, faça a sua
aposta", prega a letra. E o disco vira um grande baile cheio de charme.
Se a faixa "Falsidade" (de Munir Trad com o próprio Dilsinho) trata de um fim
de caso mal-resolvido ("Tira tua onda, fala / Tá de boa, siga / Escondendo a
verdade"), a música "Papo de Futuro" (do mesmo Munir, com Marquinhos de
Moraes) projeta o romance ideal ("Mulher que fecha é difícil de encontrar /
Por isso eu quero te fazer a mulher mais amada"). Com Pedro Felipe e Bruno
Britto, Dilsinho compôs "Tique Nervoso", cujo arranjo flerta com o arrocha
sertanejo e a interpretação abre espaço até para um risinho maroto. "É meu
xodó, é meu bebê, eu sempre vou te entender", canta ele, para mais à frente
dizer: "Eu nunca amei ninguém assim, você é começo, meio e fim". Já em
"Presente do Destino" (de Dilsinho e Pedro Felipe), o cantor anuncia: "Me
espera na escada, com a mala arrumada, você vai me agradecer depois".
Como a festa parece não ter hora para acabar, chega a Turma do Pagode
direto de São Paulo, numa ponte-aérea repleta de animação. A música
escolhida é "Garota de Família", dos onipresentes Munir Trad e Marquinhos de
Moraes. "No começo eu não tava muito afim / De repente veio um sentimento
em mim", diz a canção. E tudo acaba num "Piquenique", capitaneado por
Dilsinho em parceria com Pedro Felipe e Marcos Brito. Com um violão
marcado, ele encerra o CD provando que seu universo está mesmo além do
samba. "Eu vou dar flores pra você no café da manhã / Te acordar com beijos
cheios de amor / Fazer por onde merecer seu carinho e calor", entoa Dilsinho,
merecendo - sim - o carinho e o calor que vem recebendo desde que começou
a soltar a voz pelas estradas.
"Acho que consegui mostrar ainda mais as minhas influências e extrair a
sonoridade final que planejávamos. Agora eu sei o que o meu público quer
ouvir de mim. Tenho certeza que as pessoas que escutarem o disco vão se
identificar, se emocionar. Tem tudo para ser um divisor de águas na minha
carreira", aposta o cantor. "As músicas românticas desse disco se comunicam
em um mesmo universo: o do homem que toda mulher quer, o homem que eu
procuro ser, o homem que todos deveriam ser". São as mulheres sendo
tratadas, enfim, como merecem. Esse é "O Cara Certo".